Atualize seu navegador!
Notícias

Muito mais do que simples brincadeiras

Jogos adaptados para pessoas com deficiência, produzidos pela equipe da APAE, foram entregues nesta semana

Uma programação especial realizada na tarde de quarta-feira marcou a entrega de diversos jogos adaptados para os alunos da Escola Girassol, mantida pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de São Bento. Os jogos foram pensados e criados pela equipe multiprofissional da escola, com materiais recicláveis e reaproveitáveis, atendendo às necessidades de diversas turmas da instituição de ensino.
No total, foram criados 26 jogos. Para marcar a entrega dos projetos, ocorreu um concurso interno, em que foram eleitos os três jogos considerados mais criativos e melhor adaptados. Para escolher os melhores, foi realizada uma parceria com o Colégio Global/Unip, e os alunos do curso de pedagogia participaram da votação.

Premiação simbólica
Em terceiro lugar, ficou o jogo Roleta de Frases, criado pela professora Cristina Roesler. Na segunda colocação, o projeto Parque Legal, das professoras Claudia Tureck, Silene Simbalista e Marli Senn. E em primeiro lugar ficou o jogo Brincando com as Cores, das professoras Adria Hermes e Wanda Knop.
Como prêmio, as professoras ganharam um passeio diferenciado, para ser realizado com as respectivas turmas. A diretora da Escola Girassol, Goreti Ehlke, expõe que o concurso e a premiação são apenas simbólicos, para integrar ainda mais a escola. “Todos os envolvidos merecem um prêmio, mas m maior prêmio é os alunos poderem usufruir deste material, que foi produzido aqui”, frisa.
Ela destaca a riqueza do material produzido, que agora vai fazer parte do acervo da escola. “Os nossos profissionais mostraram que sempre é possível criar um material diferenciado. Agora os jogos são do uso coletivo na escola e vão estar disponíveis para todos os estudantes”, diz.

Trabalho contínuo e necessário
Goreti lembra que, no ano passado, já foi promovido um concurso para a produção de livros adaptados e que o resultado também foi muito positivo. “Até hoje estes livros são usados pelos alunos”, conta. Ela relata que a ideia dos jogos surgiu devido à dificuldade de encontrar brincadeiras condizentes com as necessidades dos alunos da escola. “Há no mercado um número enorme de jogos, mas muitas vezes nós adquirimos o jogo na loja e, chegando aqui, temos que adaptar para o aluno poder utilizar”, esclarece.
A diretora da escola explica que a criação dos jogos acabou sendo um desafio muito grande para toda a equipe. “Propor jogos adaptados, criados com material reciclável, para pessoas com deficiência, entre 0 e 60 anos de idade, é desafiador, mas cada um doou muito da sua criatividade, com o objetivo de atender às especialidades dos nossos alunos”, aborda Goreti, orgulhosa.

Homenagem na Assembleia Legislativa
Aproveitando a presença de todos no evento, a diretora da Escola Girassol apresentou para a instituição a comenda do Legislativo Catarinense, recebida na segunda-feira como reconhecimento aos 45 anos de trabalho no município. Concedida pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina, a comenda é a maior honraria que pode ser entregue pela Alesc e foi uma homenagem proposta pelo deputado Silvio Dreveck.
Para simbolizar o momento, Goreti entregou a honraria para uma aluna, uma mãe de aluna e uma professora. “A funcionária representa os que já passaram por aqui, e a mãe e a filha representam os mais de 770 alunos que frequentaram a escola. Hoje temos 150 alunos matriculados, mas já fizemos a diferença na vida de muitas pessoas, que tem sua vida modificada através do trabalho da instituição”, exalta a diretora.
Goreti que trabalha na APAE há 16 anos, ressalta a satisfação em fazer parte deste capítulo especial da instituição. “No momento da entrega, eu não estava sozinha, levava comigo tudo que nós vivemos com os nossos colegas de trabalho, famílias, voluntários, ex-presidentes e ex-funcionários”, declara, salientando a bela história da instituição. “São 45 anos de muita dedicação, compromisso e busca de qualidade no trabalho oferecido às pessoas com deficiência”, encerra.


Fonte: Jornal A Gazeta, 28 e 29 de novembro de 2015