Atualize seu navegador!
Notícias

Uma agradável surpresa para os passageiros

Sem qualquer aviso, usuários do transporte foram contemplados com uma apresentação ontem à tarde

 

Usuários do sistema de transporte coletivo de São Bento do Sul foram surpreendidos, na tarde de ontem, pelo projeto De Repente Cultura, da Fundação Cultural. Integrantes do Coral Girassol, da Escola Especial Girassol/APAE foram os responsáveis pela apresentação, sob comando da professora Marcesi Maahs. Empunhando seu violino, ela ditou o ritmo do coral, que deu vida a canções como “É preciso saber viver”, de Roberto Carlos. Alguns passageiros até mesmo cantaram junto o refrão, enquanto aguardavam o ônibus.

Atento à apresentação, o auxiliar de produção Antonio Cleber de Lima, de 24 anos, afirmou que gostou da surpresa. “Achei interessante, pois não é sempre que a gente vê algo assim”, comentou ele, que mora no bairro Brasília. Segundo Antonio, a intervenção artística foi mais marcante ainda por envolver os alunos da escola especial. “Eles mostraram do que são capazes”, disse. Ele também observou que a apresentação serve como reflexão e para dar mais valor às pessoas.

 

O grupo e o projeto

O Coral Girassol, formado por 14 alunos, existe há cinco anos, conforme a orientadora Marileia Gonçalves. Devido a obras em andamento na escola, os ensaios semanais acontecem na Fundação Cultural são-bentense. Para o presidente da fundação, Robson Rodrigues, a ideia do De Repente Cultura é oferecer à população uma intervenção-surpresa. “Não há aviso”, contou. Tanto que, depois de cantarem no terminal central, os coralistas foram à uma reunião da Ordem de Auxiliares das Senhoras Evangélicas (OASE), da Igreja Luterana.

Diferentes artistas locais já mostraram seus talentos no Calçadão, na Praça Getúlio Vargas e até no posto de saúde do bairro Cruzeiro – neste caso, a cargo do acordeonista Leandro Panneitz, que apresentou uma peça de tango às 6 horas da manhã para funcionários e pacientes. Nesta quinta-feira há mais uma apresentação do projeto. Mas, claro, o local e o grupo não foram divulgados pela Fundação Cultural.


Fonte: Jornal A Gazeta, 30 de março de 2016.