Atualize seu navegador!
Notícias

Impossível depender só do poder público

  • Harriet Hackbarth e Maria Goreti Ehlke, na Acisbs - Foto Elvis Lozeiko A Gazeta
  • Mais uma edição dos Diálogos Institucionais foi realizada - Foto Elvis Lozeiko A Gazeta

Apae

Entidade precisa complementar recursos com outras ações

A Associação e Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de São Bento do Sul teve um custo geral de R$ 935 mil em 2016, explicou a presidente da entidade, Harriet Hackbarth, nos Diálogos Institucionais da Associação Empresarial de São Bento do Sul (Acisbs), semana passada. Do poder público (municipal, estadual e federal), incluindo os repasses do Sistema Único de Saúde (SUS), a entidade recebeu pouco mais de R$ 466,7 mil, suficientes para cobrir menos da metade das despesas ao longo do ano. Para compor as receitas, foram utilizados recursos advindos de doações de pessoas físicas e de pessoas jurídicas, dos convênios com a Celesc e com o Samae.

Entraram no caixa, também, a tradicional ação entre amigos – principal fonte de captação de verbas junto à comunidade –, um campeonato de futebol e o evento Sesi Corrida do Bem. Compuseram as receitas da associação, ainda, valores oriundos de doações do Poder Judiciário (inclusive da Justiça do Trabalho), do Instituto Guga Kuerten, do Fundo para Infância e Adolescência (FIA), do tradicional pedágio beneficente, das aplicações financeiras e mesmo das oficinas de trabalho desenvolvidas na própria escola, além de subvenções – utilizadas para obras físicas.

Harriet lembrou que, diante dos números, qualquer doação financeira é importante para a instituição. “Cada R$ 1 faz diferença”, disse. Ela lembrou que a situação econômica brasileira teve reflexos nos repasses do governo estadual para quitação da folha de pagamento da Apae, pois a transferência é feita com base nos números do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A presidente da Apae ainda ressaltou que, de maneira geral, as empresas e a comunidade ajudam bastante a entidade, tanto que a principal fonte de captação de receita própria da instituição é a ação entre amigos, cujos bilhetes continuam à venda, por R$ 10. O sorteio, pela extração da loteria federal, acontece no dia 13 de maio, tendo um automóvel zero quilômetro como prêmio principal. Quem adquirir os bilhetes, além de auxiliar a Apae, ainda concorre a outros prêmios, como televisor led, bicicletas, forno micro-ondas e rack.

 

Educação, saúde e assistência social

Uma célula na rede de atendimento às pessoas com deficiência intelectual e múltipla. Essa foi a definição que a diretora da Escola Girassol, Maria Goreti Ehlke, deu ao trabalho do estabelecimento que, em quase 47 anos de história, já atendeu 780 alunos especiais em São Bento do Sul. Ao participar dos Diálogos Institucionais, ela destacou que a entidade, mantida pela Apae, presta serviços nas áreas de saúde, educação e assistência social. Goreti ressaltou à diretoria e aos conselheiros da associação, bem como ao prefeito Magno Bollmann (PP) e ao vice Márcio Dreveck (PP), detalhes sobre os projetos e programas desenvolvidos pela escola, hoje com 150 alunos de 7 meses a 68 anos de idade.

A diretora ressaltou que, apenas em 2016, foram realizadas 40 palestras do programa “Compreender para Prevenir”, lembrando que 70% de todas as deficiências podem ser prevenidas “com medidas simples e baratas”. Goreti fez questão de agradecer as parcerias firmadas com empresas, entidades, poder público e voluntários. Ela comentou que, com o apoio de empresários, a entidade tem feito um trabalho mais apurado em termos de gestão, informando que atualmente há um controle e uma transparência maiores em termos de orçamento, por exemplo.

 

 


Fonte: Jornal A Gazeta